Corrupção peruana

A Odebrecht admitiu que pagou 29 milhões de dólares em subornos aos quatro últimos presidentes do Peru, ao longo dos últimos 17 anos. Receberam propina da construtora brasileira Alejandro Toledo (2001-2006), Alan Garcia (2006-2011), Ollanta Humala (2011-2016) e Pedro Paulo Kukzinski (2016-2018).

Toledo fugiu para os Estados Unidos e agora enfrenta um pedido de extradição. Humala esteve preso nove meses com sua esposa Nadine. Kukzinski renunciou em março após denúncias de corrupção. Ontem, um dia depois de prestar informações no inquérito que o investiga e ser proibido pela justiça de viajar ao exterior pelos próximos 18 meses, Alan Garcia pediu asilo na embaixada do Uruguai em Lima.

Seus defensores dizem que ele está sofrendo perseguição política no seu país e seria preso logo, mas o governo peruano retruca que a apuração é sobre vícios na licitação para a construção da linha 1 do metrô da capital, vencida pela Odebrecht. Garcia já tinha sido presidente entre 1985 e 1990.

A alegação da defesa do ex-presidente não parece ter fundamento. A líder da oposição, Keiko Fuhimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, também foi detida pela mesma suspeita de corrupção.

Se corrompeu quatro presidentes no Peru, por menos de US$ 30 milhões. quantos a Odebrecht pode ter subornado na sua terra natal, por muitos bilhões de reais?


Print   Email