Isto é Brasil

O vice costuma se tornar problema para o titular do cargo depois que ambos assumem, um por ter sido eleito de fato, o outro por ser fauna acompanhante, frequentemnete predatória, corroída pela inveja e o ciúme. No caso do presidente eleito, o capitão Jair Bolsonaro, seu vice, o general Hamilton Mourão, deve estar levando o correligionário a a concluir que um amigo pode ser muito pior do que um inimigo. O vice-presidente da república tem sido um sistemático autor de disparos de fogo amigo e espalha balas ao léu. Antes mesmo de se tornar oficialmente o detentor da função. Lula diria: como nunca antes na história brasileira.

O general puxou a orelha do deputado federal Onyx Lorenzoni, lançando-lhe a suspeita de ter se irritado com as perguntas de jornalistas sobre travessuras cometidas no passado por eventual culpa no cartório. E questionou a justificativa dada pelo próprio presidente sobre a transferência de 24 mil reais, feita pelo ex-assessor parlamentar de Bolsonaro (que o general diz só conhecer como “o motorista Queiroz”), para a conta da futura primeira dama Michelle: : de que era para facilitar o saque do dinheiro, fruto de um empréstimo devolvido em parcelas, porque a esposa do capitão vai mais à rua do que o marido, sem tempo para essas atividades corriqueiras.

O general não se lembrou de que Jair Bolsonaro, dirigindo o próprio carro, foi ao caixa de banco próximo à sua residência, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, sacar R$ 500 para pagar um churrasco que ofereceu à sua segurança.

Com Bolsonaro & Cia. os nacionais devem estar começando a se convencendo de que não podem mais alegar já terem visto de tudo na terra do pau Brasil. O que se está acompanhando nesta transição é inédito, singular e grotesco. Embora, quem sabe, mais fiel ao que é o país – ou ao estado em que se encontra, depois da mais extravagante eleição da sua história, no ápice da sua maior crise econômica, contemporânea da mais devastadora corrupção já documentada na história mundial.

Quem sobreviver, verá. Ou não, completaria Caetano Veloso.


Print   Email