O sofrimento da juíza

Está circulando pela internet a mensagem reproduzida abaixo da juíza substituta de Xinguara, Ana Carolina Barbosa Pereira,  que encaminhou uma carta à presidência do Tribunal de Justiça do Pará, pedindo exoneração do cargo. Complementa a matéria anterior. O Pará espera que o TJE não interdite uma juíza tão lúcida, a apoie como pessoa e não coloque para baixo do tapete denúncias tão graves. Nem o tribunal nem o governo do Estado, também atingido.

Colegas (e amigos), fiquei emocionada com as manifestações de todos. Confesso que há mais de seis meses vinha pensando na exoneração e cheguei a escrever o texto que acabou circulando sem qualquer intenção, já que foi enviado apenas ao Tribunal. Mesmo sem ter outra opção em vista, mesmo amando o que eu faço, havia desistido de seguir na Magistratura do Pará. Doeu muito, mas precisei colocar minha saúde acima de tudo.

Pânico, choros diários, crises de ansiedade e medo. Eram esses os sentimentos que prevaleciam no meu dia a dia e que se apagavam quando, raras vezes, eu reencontrava a minha família cearense ou goiana. No dia 02.10, ao retornar das férias, enfrentei mais uma crise de pânico e precisei de ajuda médica imediata. Na última semana chorei todos os dias com medo do retorno. Com medo de rencontrar exatamente o mesmo cenário.

Nunca quis me afastar por atestado, pois não queria carregar o status de “louca”. Depois de protocolar meu pedido, recebi incondicional apoio da AMEPA e da AMB, pedindo que eu pensasse e, se fosse o caso, que me licenciasse antes de decidir. Embora estivesse convicta da minha escolha e também das consequências (especialmente das verdades que escrevi), solicitei o cancelamento da exoneração e fiz um pedido de auxílio da junta médica do Tribunal.

Estou justificando porque sei que esse novo Siga Doc já está circulando e, apesar de saber que muitos sentem a mesma coisa que eu, não quero que pensem que eu me acovardei, que fiz chilique ou que só quis aparecer. Meu grito foi ouvido. Minha dor foi sentida por todos. Preciso de ajuda e decidi aceitar para depois efetivar ou não a minha decisão inicial. Obrigada por tudo!


Print   Email